Sejam Bem-vindos Ao Meu Blogue!

Escrever é muito mais do que uma mera paixão, é uma parte de mim!
Na poesia, os pensamentos, as ideias e as emoções ganham vida própria, deixam de ser uma parte do autor e rompem a fronteira do "eu" , abraçando, assim, outras realidades, outras vidas.
Nélson J. Ponte Rodrigues

domingo, 28 de maio de 2017

Carrascos da Própria Existência

Aqueles que deviam aquecer o teu coração são, na realidade, os que queimam a tua alma sem pudor, atormentando ainda a tua mente e despertando, por conseguinte, a cólera no teu coração.

É ultrajante saber o quão absurda é a condição daqueles se autodenominam vítimas do destino. Serão mesmo vítimas ou seus próprios carrascos? Vidas perfeitas não existem, é uma distante utopia. Afinal, quem são estes mártires? Tantos que sofrem muito mais e mesmo assim honram a sua existência, lutando, superando as limitações que lhes foram impostas. Entre os espinhos, por vezes, permanentes, ainda arranjam tempo para sorrir, para inspirar... Não procuram a piedade alheia. Não querem ser reconhecidos pelas suas derrotas, mas sim pelas suas vitórias. Assim, são os grandes guerreiros! Estes são os verdadeiros heróis. Sangram, choram, gritam em silêncio, tropeçam, caem... Não se entregam à lamúria dia após dia. Ao invés disso, erguem-se, lambem as feridas, sacodem as roupas empoeiradas, arregaçam as mangas ensanguentadas e prosseguem cambaleando. Arriscar é melhor. Viver com pena de si mesmo é uma forma atroz de comunicar a sua morte no mundo dos vivos. É deitar fora o bem mais precioso de todos e que muitos já perderam injustamente. Fazer do infortúnio um orgulho modesto é, sinceramente, um ato insano. Celebram o que a maioria prefere esquecer ou abandonar de vez. 
Aqueles que se queixam da própria vida e que nada fazem (de concreto) para a mudar, verdadeiros adeptos da inércia e que vivem da autocomiseração, não são vítimas, são carrascos. Querem afogar-se no seu próprio sofrimento e ainda tentam sufocar aqueles que lhes prestam socorro (ou já tentaram). Culpabilizam, muitas vezes, tudo e todos pela sua situação. Não procuram soluções, uma saída; focam toda a sua energia e tempo noutros possíveis problemas, criam cenários irreais e desfavoráveis à sua felicidade, lançam pedras no seu próprio caminho. Entretanto, buscam aplausos pelo seu fracasso, derrota, e não pelo seu triunfo. Vivem das migalhas que a vida pode oferecer. Não são e nem querem ser autossuficientes. Isso requer gerir a própria vida... Isso dá trabalho. É preferível sobrecarregar o familiar ou amigo mais próximo.
Um ser humano adulto que não é senhor da sua independência é, de facto, uma albarda pesada na vida dos outros. Podem discordar, mas esta é a pura verdade. Aprender a lidar com isso é árduo, requer uma força quase sobrenatural. Estas pessoas que se encostam noutras, que adoram viver da sua interminável desgraça são tóxicas. Sugam a tranquilidade daqueles que as rodeiam. (Não me refiro a doentes crónicos com mobilidade reduzida ou débil condição física ou mental devidamente comprovada, vítimas de acidentes graves que perderam sem o seu consentimento a sua mobilidade e/ou liberdade).

Superar as adversidades da vida é uma qualidade humana. Fazer da dor júbilo... É doentio! É execrável! (Refiro-me àqueles indivíduos que preferem encontrar mais problemas para além daquele que já têm quando é nitidamente possível encontrar uma solução.) É tão fácil ser-se triste,não é? A felicidade dá trabalho. Viver não é para todos, existir sim.

Estes seres (que não considero verdadeiramente humanos) infligem dor a si mesmos para além daquela que outrora sofreram pelas mãos de outrem. Perante tanta imbecilidade, pergunto-me: Atentar contra a própria existência fará sentido? Não! Não controlamos o meio que nos circunda (é um facto), mas somos responsáveis pela forma como este nos afeta (uma constatação). Valerá a pena culpabilizar o destino constantemente? Não... Isso não mudará absolutamente nada. O bom discernimento é tão vital quanto o ar.
A estupidez humana não tem limites... A paciência, por outro lado, tem. A pior parte é que a última referida é, muitas vezes, irreversível. Não podemos salvar quem não quer ser salvo. Aprendemos isto ou enlouquecemos. Ninguém te pode obrigar a dar o que já deste e se esgotou. Podemos orientar, dar bons conselhos, não podemos salvar. Temos de aceitar o que não podemos mudar. É uma decisão dolorosa, mas necessária. Numa determinada fase das nossas vidas, é fulcral soltar as amarras sem sentimento de culpa.
Evidentemente, abomino pessoas que fazem da sua tragédia, uma peça de teatro. O sofrimento não deveria fazer de ninguém um herói, o que o deveria imortalizar seria a força exibida a posteriori. Saborear a vida não é uma obrigação, é uma necessidade negligenciada por muitos. A vida resume-se a dias bons e a dias menos bons. Quem não quer viver dignamente (e pode), não deveria infernizar aqueles que sempre lutaram pela sua felicidade e bem-estar. Quem vive bem com o seu descontentamento e orgulha-se disso não deveria importunar aqueles que não se identificam com esse estilo de "vida". Basta! Chega! Não! Adeus! Palavras que libertam...Ninguém tem o direito de nos roubar deliberadamente a alegria dos nossos dias. Libertem-se!

Existem, assim, pessoas inspiradoras, banais, vazias, malévolas, e outras tóxicas.

Nélson José Ponte Rodrigues
27 / 28 - 05 - 2017


Sem comentários:

Enviar um comentário